Menino Topo
(44) 3031-0011

Bem-vindo

Sair Cursos Planos Cadastro Alterar Senha

Notícias

Jardim Funcional

Publicado Em: 20/03/2013

Ainda pouco usado em residências, o telhado verde reduz custos com climatização e traz várias vantagens.
Inspirada nos jardins suspensos da Babilônia, a técnica conhecida como telhado verde não tem nada de arcaica. Pelo contrário – é uma alternativa moderna, cada vez mais difundida e que traz vantagens para os usuários.
O sistema é simples e consiste no uso de uma camada de vegetação na cobertura dos imóveis. A instalação de estrutura que propicie o crescimento de plantas em um local que ficaria sem uso, como o telhado, resulta em maior conforto térmico e acústico. Além disso, melhora o microclima da região, pois as plantas ajudam a recompor área para a drenagem 
“Pela evaporação, o telhado verde colabora para arrefecer as áreas mais urbanizadas, além de reduzir ruídos. Ele também aumenta a vida útil da edificação, uma vez que a protege do calor direto, evitando dilatação e trincas” enumera o engenheiro Eloy Casagrande, coordenador do Escritório Verde, projeto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). A iniciativa da instituição usa o telhado verde e outros elementos sustentáveis na construção.
Benefícios
A lista de benefícios do telhado verde inclui a biodiversidade. “É uma alternativa para a criação de espaços verdes em meio a tanto concreto usado nas cidades, e quando possível, o espaço pode também ser usado como uma área de lazer”, explica Casagrande. O conforto térmico gera economia porque reduz custos com a energia para manter a climatização.
A ideia de usar a cobertura do imóvel para manter um jardim vem sendo mais utilizada em empresas que buscam certificações ambientais, mas é aplicável a residências. “A tecnologia é simples e o custo para instalação se reverte em economia a longo prazo”, explica João Manuel Feijó, engenheiro agrônomo da Ecotelhado, empresa especializada nesse tipo de estrutura.
O sistema tem poucas restrições: basta que o imóvel tenha laje capaz de suportar o peso da estrutura, da camada de terra e das plantas. “Quase a totalidade dos prédios pode receber o telhado”, comenta Feijó. A simplicidade também é citada por Caio Bonatto, diretor da empresa de construções ecológicas TecVerde, como um facilitador para adoção da cobertura sustentável. “O teto verde é uma ótima solução para aumentar o conforto térmico dos imóveis, principalmente os últimos andares dos prédios, que costumam ser mais quentes”, aponta.
Cuidados
As exigências do telhado verde são a instalação adequada e a manutenção. O sistema tem que ser colocado de maneira correta para evitar infiltrações e umidade. “A vedação é essencial”, explica Feijó. O sistema de escoamento da água absorvida pelo telhado verde também tem que estar livre de imperfeições, o que exige atenção constante.
Tratamento de esgoto pode ser integrado
O Ecoesgoto é um sistema que pode se conjugar ao telhado verde. A estação de tratamento de efluentes biológicos é acoplada à cobertura. “A estrutura faz o manejo dos dejetos e da reciclagem dos líquidos do banho, das pias e do vaso sanitário, além da água, que é absorvida pelo telhado”, explica João Manuel Feijó, engenheiro agrônomo da Ecotelhado, que oferece o equipamento.
A reciclagem é feita através de um vermifiltro. “Dejetos sólidosde sanitários e da cozinha são canalizados para o vermifiltro, composto por minhocas, que vão digerir todo o material”, explica.
Feijó observa que o sistema é barato e custa entre R$ 150 a R$ 200 por metro quadrado, podendo ser instalado em todo tipo de imóvel. “É uma solução ecologicamente correta, mais barata e eficiente do que os sistemas convencionais”, comenta.
O vermifiltro é uma câmara cujo tamanho varia de acordo com o projeto e volume de efluentes. O equipamento pode ser aéreo ou subterrâneo e vem acompanhado de elementos paisagísticos. Por ser um sistema anaeróbico, o Ecoesgoto não exala mau cheiro.
Parede verde enfeita e protege
Adotar o jardim vertical ajuda a fugir do calor e deixa o imóvel mais bonito. Assim como o telhado verde, a instalação de estruturas que possam receber plantas nas paredes aumenta o conforto térmico e acústico.
É possível colocar plantas do tipo trepadeiras, que fazem o papel de proteger a parede e criam uma barreira para o calor e para o barulho. O engenheiro agrônomo da Ecotelhado observa que a parede do imóvel que recebe mais sol e portanto, mais calor, pode receber o jardim vertical. “A fachada que mais sofre com a incidência dos raios solares deve ser a escolhida. As trepadeiras podem ser adaptadas em todo tipo de imóvel, até nos mais antigos”, comenta João Manuel Feijó.
Para construções que vão adotar o telhado verde, a aplicação da mesma ideia nas paredes é facilitada. A água que escoa da cobertura pode ser usada para irrigação do jardim vertical. “Nesses casos, o reuso de água é mais simples, porque o que for absorvido pelo telhado é reutilizado em seguida”, diz o engenheiro agrônomo.
de água da chuva.
Opções
Com que planta eu vou?
Para a instalação de um teto ecológico que funcione bem, a escolha do tipo de planta é essencial. O ideal é que sejam espécies resistentes, de pequeno porte e com raízes não muito profundas. Entre as alternativas, além de grama nativa, estão o rabo-de-gato, orelha-de-rato, cambará, clúsia, saião e capim-chorão. Pode-se optar por plantas suculentas, que têm folhas parecidas com gomos. Como retém mais líquido, elas exigem menos irrigação, que deve ser feita em períodos de pouca chuva.
R$ 100 a R$ 120
É o custo médio do metro quadrado da estrutura do telhado verde. O preço varia de acordo com a característica do imóvel e o tipo de armação adequada.
Manutenção
Cuidados iguais aos de um jardim
O telhado verde requer a mesma atenção que um jardim. Já o custo de instalação por metro quadrado varia entre R$ 100 e R$ 120 e é preciso contratar um profissional especializado para instalação. “O cálculo do preço leva em conta o tipo do telhado. O investimento compensa, gerando economia de energia”, comenta João Manuel Feijó, da Ecotelhado.
Como há diversos tipos de estrutura, é preciso descobrir qual é o mais apropriado a cada caso. “Existem diferentes técnicas de instalação, oferecidas por várias empresas. Algumas usam terra diretamente com algum material drenante e outros oferecem módulos que contém a terra e permitem o desenvolvimento das plantas”, explica o coordenador do Escritório Verde da UTFPR, Eloy Casagrande.
De acordo com ele, é imprescindível o uso de material que impermeabilize a laje (normalmente uma manta plástica reforçada) e também que haja escoamento da água. A manutenção é igual à de plantas comuns. “Aparar a grama, cuidar das plantas, irrigar em casos de falta de chuva e verificar se o sistema de drenagem não entope. Muito simples”, avalia.


http://www.gazetadopovo.com.br/imobiliario/conteudo.phtml?tl=1&id=1349798&tit=Jardim-funcional
Publicado em 03/03/2013 - Gazeta do Povo