Menino Topo
(44) 3031-0011

Bem-vindo

Sair Cursos Planos Cadastro Alterar Senha

Notícias

Publicado Em: 16/07/2012

Membros da Comissão Estadual de Acessibilidade do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA/PR) participaram de uma reunião com representantes de algumas secretarias da Prefeitura Municipal de Maringá para discutir possibilidades de adequações em escolas e espaços públicos da cidade, conforme o estabelecido pela norma NBR 9050/2004, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). O encontro aconteceu nesta quinta-feira (dia 12) na prefeitura.

         A fiscalização CREA/PR é de cunho preventivo e tem como finalidade orientar e esclarecer entidades no que diz respeito à importância sobre acessibilidade, tanto em órgão públicos como na iniciativa privada em todo o Estado. Em Maringá a fiscalização nas escolas municipais gerou um relatório que foi encaminhado para o Ministério Público (MP), que por sua fez recomendação à prefeitura para que realize as adequações necessárias.

         De posse do relatório e com a recomendação do MP, a prefeitura solicitou o encontro, que reuniu engenheiros e demais profissionais das secretarias de Planejamento, Urbamar, Transportes, Serviços Públicos e de Controle Urbano e Obras Públicas e o coordenador estadual da Comissão de Acessibilidade do CREA/PR, engenheiro mecânico Sério Yassuo Yamawaki, o conselheiro da Comissão de Acessibilidade,  engenheiro químico Luiz Eduardo Caron,  o gerente regional do CREA/PR em Maringá, engenheiro civil Hélio Xavier Silva Filho, e a Agente de Fiscalização do CREA-PR engenheira civil Roberta de Souza.

        Para o gerente regional, o trabalho da Fiscalização Integrada, realizada pela entidade, colhe bons frutos, e a reunião com a comissão da prefeitura é um deles. “Esta reunião tem caráter inédito no Estado, o que demonstra que o trabalho de fiscalização do CREA tem contribuído significativamente para que não só escolas, mas todo o planejamento da acessibilidade na cidade seja debatido e estudado. Este retorno da prefeitura com o interesse em discutir o assunto ilustra positivamente que todos estão no caminho certo”, disse Xavier.

         No check list usado pelos fiscais na fiscalização de acessibilidade estão itens como existência de sanitários adaptados para deficientes motores, largura e piso das calçadas, guias rebaixadas, uso alternativo de rampas ou elevadores para acesso a níveis superiores de prédios, corrimãos nas escadas, entre outros.

         Durante a reunião o secretário de Controle Urbano e Obras Públicas, Laércio Barbão, destacou que na cidade há pelo menos cem estabelecimentos públicos, entre escolas e centros de educação infantil que a partir das necessidades apresentadas poderão receber adaptações. “Não há dúvida de que as adaptações que forem necessárias nos prédios existentes serão realizadas, com equilíbrio e bom senso e nos novos projetos será contemplado o que for preciso para promover qualidade de vida”, frisou Barbão.

         Na opinião do engenheiro Sérgio Yamawaki, da Comissão de Acessibilidade do CREA/PR, o encontro foi de extrema importância. “Foi uma oportunidade para esclarecer dúvidas sobre como fazer as adaptações de acessibilidade das escolas municipais e sobre alguns pontos das normas vigentes”. Ele conta que ao final do encontro ficou decido que será elaborado nos próximos dias um cronograma para as adequações das escolas, conforme laudos de fiscalizações do CREA. Por solicitação da prefeitura, o CREA acompanhará e ajudará na elaboração deste cronograma.