Menino Topo
(44) 3031-0011

Bem-vindo

Sair Cursos Planos Cadastro Alterar Senha

Notícias

Publicado Em: 28/08/2012

A comissão da Agenda Parlamentar de Maringá entende que é fundamental o manejo das árvores existentes na área urbana da cidade, com plantio, substituição e renovação da arborização. De acordo com dados do Censo da Árvore de Maringá, estudo coordenado pelo Engenheiro Florestal André Sampaio, através da parceria entre o CESUMAR e a Prefeitura Municipal de Maringá - PMM/SEMAA, 35% das árvores precisam de cuidados urgentes no manejo, tratamentos fitossanitários (doenças), adubação, podas adequadas, dentre outras ações.

O trabalho do engenheiro foi feito durante os anos de 2004 e 2005, quando foram catalogadas 108.172 árvores nas ruas e avenidas da cidade, coletando-se 36 dados de cada uma. Hoje, o Município recebe com freqüência solicitações para retiradas de árvores. De jan/2006 a jul/2012, foram registrados no sistema 156 da prefeitura 23.236 protocolos (solicitações), dos quais cerca de 50% já foram considerados concluídos (atendidos ou baixados no sistema). Outras 11.469 solicitações de remoções estão ativas no sistema de controle de Maringá, dos quais 5.232 foram vistoriados e 6.237 aguardam vistoria técnica.

Outro problema do município são os danos que as árvores causam em dias de chuva, ocasionando despesas de R$ 700 mil por ano (veículos e muros principalmente) com indenizações. A comissão aponta como parceiros estratégicos para discutir a questão, entidades como Conselho Municipal Defesa do Meio Ambiente, Governo do Estado (SEMA), COPEL, Universidades, Entidades de Classe ligadas ao Sistema CONFEA/CREAs, Sanepar e ONGs (ex.: Instituto das Árvores), dentre outros.

O Município de Maringá possui em média 26 metros de área verde por habitante, contando áreas verdes privadas e públicas e arborização urbana, sendo uma das cidades mais arborizadas do país. “Não podemos perder esse reconhecimento nacional que ganhamos ao longo do tempo. É fundamental o envolvimento da população na preservação da arborização”, diz o presidente da AMEA, Osvaldo Danhoni.

A comissão é formada por representantes do CREA-PR, Associação de Engenheiros e Arquitetos de Maringá (AEAM), Associação Maringaense de Engenheiros Agrônomos (AMEA), Sindicato dos Engenheiros do Paraná (SENGE) e Academia Euclides da Cunha (AEC).