Menino Topo
(44) 3031-0011

Bem-vindo

Sair Cursos Planos Cadastro Alterar Senha

Notícias

Combate à violência contra Crianças e adolescentes é tímido

Publicado Em: 12/09/2012

Nos primeiros quatro meses de 2012, o módulo Criança e Adolescente do disque 100 registrou um aumento de 71% das denúncias de exploração sexual de menores em relação ao mesmo período do ano passado no Brasil. Entre janeiro e abril deste ano foram 34.142 denúncias contra 19.946 em 2011. Oito em cada dez vítimas são meninas. O serviço funciona 24h e nos sete dias da semana.

Um problema grave que persiste é que 80% dos abusos sexuais cometidos contra crianças e adolescentes ocorrem dentro do ambiente familiar. A proximidade dos agressores faz com que os casos sejam subnotificados.

A AEAM considera fundamental uma discussão ampla da sociedade e campanhas de conscientização sobre o tema para minimizar o problema. A questão sexual envolve muitos mitos e tabus e acontece há séculos.  O Brasil decidiu declarar guerra à violência sexual contra crianças e adolescentes em 2002.

Na época, após uma ampla discussão foi lançado o Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infantojuvenil. Dez anos depois, o documento jamais foi revisto e não houve o estabelecimento de ações articuladas para o combate ao problema. Esta era uma das principais metas e ela está longe de ser concretizada. 

Para especialistas, a ausência de troca de informações entre entidades e órgãos públicos que tratam o tema é o principal obstáculo no combate à pedofilia. O silêncio das famílias que vivenciam o problema é similar à falta de diálogo que ocorre entre os órgãos do governo, institutos de pesquisa e ONGs entre outros.

Por outro lado, a alta crescente do número de denúncias de crimes sexuais contra crianças e adolescentes evidencia o cumprimento de uma das metas estabelecidas pelo Plano, que é a mobilização social. As pessoas estão mais conscientes sobre a necessidade de denunciar abusos.


DENUNCIE

As denúncias de violações de direitos humanos contra crianças e adolescentes são examinadas e encaminhadas para os serviços de atendimento e proteção, como os Conselhos Tutelares, órgãos da segurança pública e Ministério Público. Denuncie através do Disque 100.